Título:  Flor de Lótus
Autora: Bia Braz
Lançamento: 2015
Estante: Skoob - GoodReads
Editora:  Editora Amazon
Páginas:  542
Literatura: Nacional
Gênero: Romance, Romance Policial
Estrelas: 5/5
Comprar: Amazon


Sinopse: Amargo e solitário, Christopher sofre de insônia e tem pesadelos constantes desde o dia em que perdeu duas pessoas: a mãe, num afogamento, e Christine, para as drogas. Um mistério envolve e interliga os dois acontecimentos. Não há provas ou testemunhas que os expliquem. Desde esse dia, Christopher dedica-se a perseguir narcotraficantes.  Por obra do destino ou por equívoco, sucede-se o encontro inusitado de Christopher e Rebecca. Com rara energia e densa generosidade, Beckye (Rebecca) entra no mundo de Christopher acreditando que ele é um viciado. O interesse pessoal induz Christopher a aproveitar-se da situação e permitir que Beckye acredite no engano. Desencadeia-se entre os dois uma atração proibida pela ética e pela lei. A contagiante e bela garota transforma subitamente o mundo cinza e pragmático dele. Apesar de sua resistência e autorrecriminação, Christopher se vê enredado neste romance intenso, polêmico e arrebatador.


FLOR DE LÓTUS
BIA BRAZ

Entre um romance polêmico e repleto de sensualidade, um conto policial áspero e complexo, e o drama de duas famílias tingido de mistério e sofrimento; Bia Braz, a autora, em 31 capítulos de tempo cronológico bem demarcado, procura nos lembrar constantemente:

“Pra não dizer que não falei das flores...”

E o melhor é que ela consegue. Não só no título de sua obra, mas as flores são a deliciosa cereja deste bolo.
Assim como outros sucessos literários recentes, a obra foi uma fanfiction da Saga Crepúsculo. Contudo, se os protagonistas moralmente perfeitos desta série do gênero da fantasia, nos conquistam em primeira análise; por outro lado, identificar-se com os personagens cheios de qualidades, defeitos e mazelas criados por Bia Braz, é quase tão fácil quanto respirar.
Rebecca Stevens (Beckye) é a síntese da leveza, desprendimento e generosidade que cada ser humano deveria cultivar dentro de si; no entanto, longe de ser perfeita, mente para alimentar o interesse, a atração física de Christopher Adams (Chris) em sua direção. Ela dá nome, cores e doçura à história. Caridosa, responsável, maternal e extremamente madura em sua adolescência. Professa uma fé religiosa, da qual retira forças para superar seu passado de triste rejeição materna; porém, longe de ser puritana entrega-se de corpo e alma à paixão nos braços de Chris, em cenas eróticas descritas por Braz de forma gráfica, mas sem um traço de vulgaridade.
Chris é o extremo oposto em forma de rancor, tristeza e tenacidade. E apesar disso, é possível ao leitor enxergar nos traumas, medos e aridez de Chris, seus próprios demônios interiores. Atormentado pelo passado; canaliza todas as frustrações e amarguras para o êxito profissional.
Convergentes na beleza física, dicotômicos na essência; seu romance é o elemento que alicia e acorrenta o leitor.
Vingativo, Chris alimenta um equívoco e permite a aproximação da protegida de seu maior desafeto e alvo de suas investigações no DEA de Los Angeles: Aleksey Mattel. Porém, se Beckey a princípio é tão somente uma ponte para investigar Aleksey (Alek), logo ela se transforma numa amiga e objeto de desejo.
E muito mais do que a forma inocente e pura com a qual ela se entrega a ele, é intrigante a dura jornada emocional de Christopher ao longo da história. No tocante à Rebecca, ele parte da indiferença, passando pelo enternecimento, amor, paixão, obsessão, e finalmente, encontra-se na renúncia e no altruísmo. Recomeça. Amadurece. Tinge-se de cores e flores, graças a Beckye.
Paralelo a este elemento romântico, é surpreendente a forma como a trama policial é real e próxima dos filmes norte-americanos deste gênero. Há assédio sexual e moral, chantagem, corrupção de policiais, violência e o incansável e, no entanto, sempre contemporâneo debate sobre as drogas. O que dá credibilidade a história. Logo se vê que não se trata de um policial-água-com-açúcar, mas ao contrário, funciona como um fio condutor duro e grave, que equilibra o elemento dramático entre as famílias de Chris e Alek.
Os mistérios do passado vêm à tona, quando os laços futuros entre eles se solidificam, e o final traz alívio ao sofrimento não só dos personagens, mas também ao de quem lê! Nenhuma ponta fica solta, nenhuma cena fica sem explicação, causa ou consequência; e durante toda a trama, cada diálogo é construído de forma hábil pela autora, com um toque de humor nos momentos oportunos. Bia Braz oferece um vocabulário rico e escrita envolvente, e após horas de leitura inteligente e prazerosa, nos conduz a um final em que as flores estão presentes e nos põe um sorriso no rosto.
Flor de Lótus está recomendadíssimo e carimbado com cinco estrelas douradas!


Por: Anna CMS


Curtiram a resenha? Eu, né a senhora atrasada comprei o livro faz 2 semanas e ainda não li. Agora com essa resenha super amor que a Anna fez, já vou abrir aqui meu kindle e me embebedar nessa leitura hahaha.
Só para ressalvar um detalhe sobre Flor de Lótus. Pra quem tá com as anteninhas ligadas, sim esse livro é mais uma adaptação de fanfic Twilight que ganhou o mundo literário. E sim, a Bia e brazuca uhuul.
Bom era isso e vocês ainda podem conhecer a Anna, que já já chega com novidades aqui no blog pra gente e é claro, mais resenhas.

Anna CMS é uma escritora que está para lançar seu primeiro romance pela Chiado Editora: Eu Mereço Ser A Única, que é o livro um da série A Cidade Que Nunca Dorme. Suas histórias estão disponíveis no Wattpad e ela ama ler tanto quanto escrever e interagir com leitores e outros autores.
Querem saber mais sobre a Anna? Vocês podem encontrá-la no Twitter, no Facebook e no Wattpad, (basta clicar nas palavras destacadas).


Comentem e beijos.

Deixe um comentário