Se você acha que a Marvel deixava a desejar no quesito ativismo, Pantera Negra é o filme que mudará isso! Com representatividade feminista e negra, o filme trás às telas de cinema bastante atenção a questões sociais e raciais dos EUA sem desviar nem um pouquinho de toda a mágica heroica que a Marvel sempre trás.


O filme se passa logo após a morte de T'Chaka e acompanha seu filho T'Chala tomar o poder de Wakanda. Enquanto lida com a morte do pai e com as obrigações como líder de uma nação tão avançada, T'Chala acaba cruzando caminho com Erik Killmonger. Este, por sua vez, é um oponente insistente e também uma maneira de T'Chala superar suas inseguranças e receios, além de mostrar que o novo líder de Wakanda pode solucionar os erros de seus antepassados.


Mais do que simples complementos para as necessidades do personagem principal, seus coadjuvantes mostram personalidade e histórias próprias capazes de entreter tanto quanto o próprio Pantera Negra. Desde Shuri, irmã mais nova de T'Chala e provavelmente a mulher mais inteligente do universo Marvel, até a rainha Ramonda e o exército de guerreiras, os personagens são encantadoramente únicos e cheios de personalidade.

O que mais me encantou foi a força e o empoderamento do elenco feminino, pois nenhuma delas é o básico clichê de "namorada de herói" que só serve para se pôr em perigo. Elas, por sua vez, são justamente o motivo de T'Chala ser salvo várias vezes durante a trama e fazem parte de decisões cruciais na história.


Outro ponto extremamente encantador no filme, é a trilha sonora. Sendo composta por um álbum exclusivo do rapper Kendrick Lamar, a trama se torna mais do que um simples complemento para a cena e se torna uma conexão com os sentimentos dos personagens. A fotografia do filme também está espetacular, dando um charme a mais para toda a história.

Pantera Negra é de longe o filme com maior representatividade do Universo Cinematográfico Marvel e em poucas semanas bateu recordes tanto de bilheteria como de público e de crítica. É um filme que deve ser seguido como exemplo em toda indústria cinematográfica e que com certeza irá mudar e muito os rumos do cinema daqui pra frente, quem sabe dando uma maior voz aos movimentos.

Deixe um comentário