Destaques

21 de maio de 2019

Resenha #226 Crash - Quando a Paixão Explode, Crash I - Nicole Willians #Essência @PlanetaLivrosBR


Título: Crash - Quando a Paixão Explode, Crash #1
Autor (a): Nicole Williams
Lançamento: 2017
Estante: Skoob
Páginas: 256
Editora: Essência
Compra: Amazon
Literatura: Estrangeira
Gênero: Ficção, Jovem adulto, Romance
Estrelas: 4,5/5   
Sinopse: Para a adolescente Lucy, nada é mais importante que o balé. A dança a transporta para um mundo onde a dor, as lembranças ruins e a violência não existem. Um mundo só dela. Um dia, porém, aquela garota certinha é obrigada a mudar de escola. E é nesse novo ambiente, repleto de descobertas e Inseguranças, que conhece um garoto que só usa cinza e vive com uma toca de lã na cabeça. Jude, o maior bad boy da escola, é lindo e seria o sonho de toda garota, e talvez até o genro que todo pai pediu a Deus... se não tivesse sido preso várias vezes e não morasse num abrigo para garotos desajustados. Lucy não liga para a opinião dos outros: o mais importante é o que Jude sente por ela. E o rapaz parece disposto a abrir seu coração, ainda que um segredo que assombra o passado e o presente dos dois esteja prestes a estraçalhar essa paixão. “Jude era a doença para a qual eu não via cura. A droga da qual eu não queria me livrar nunca.” LUCY

**ML**


Crash é o primeiro volume da trilogia Crash da autora Nicole Willians, que traz no enredo uma história aparentemente clichê, porém cheia de realismo e algumas autocríticas.

Vamos conhecer Lucy, a jovem brilhante bailarina que não tem mais estabilidade familiar e nem financeira, vivendo em uma casa que é completamente oposta ao que estava acostumada. E Jude, um jovem que já carrega em si marcas da vida, vivendo em um abrigo para jovens infratores e que já foi preso várias vezes.
 Todos os anos desde a puberdade, desde a metade de junho até o começo de setembro, eu tinha certeza de que ia encontrar o Príncipe Encantado do mundo moderno. Podiam me chamar de antiquada, de romântica incurável e até de idiota, mas, qualquer que fosse o nome, sabia qual era o significado: eu era, realmente, uma boba.

Até aqui tudo previsível, o que não imaginamos ao iniciar a leitura
é que, além do tortuoso envolvimento dos dois, movido a dúvidas, intrigas e preconceitos, esses jovens já estavam com a vida entrelaçada muito antes de se encontrarem casualmente na praia em um dia ensolarado.



Lucy é constantemente lembrada por sua mãe que a culpa da morte de seu irmão é sua, já que era ela quem deveria estar no lugar dele quando a tragédia aconteceu. O que refletiu bruscamente em seu convívio familiar, já que seus pais se relacionam unicamente por tolerância. A jovem então dedica seu tempo ao estudo e a dança, tendo uma vida meticulosa.

Os olhos dele estavam cravados nos meus como se eu fosse alguma coisa que ele pudesse perder se deixasse de olhar. Nunca fui olhada daquele jeito. 
Ao se envolver com Jude, o bad boy da cidade, a vida de Lucy sofre com vários acontecimentos.
Além de possessivo, o namorado da moça é envolto em outros problemas, o que reflete diretamente no bem-estar dela.

Jude, que mesmo estando envolvido em vários acontecimentos que põem em risco não só sua vida, mas também a vida da única moça que conseguiu arrebatar seu coração, sempre alerta Lucy sobre os perigos de seu relacionamento, se comparando a uma doença incurável e destrutiva a quem está ao seu lado.
 Jude não era um bad boy sem futuro, como eu não era a vadia que todo o mundo dizia que eu era. A diferença entre a reputação que nos atribuíam era que Jude aceitava a dele como se fosse algum tipo de punição.

Como citei anteriormente, por mais clichê que essa ficção pareça ser, o plot twist é completamente intenso, e não, não temos aqui um final meloso e "viveram felizes para sempre". Mesmo sabendo que rumo o romance leva, é bom ver que essa 'mocinha' não é a inofensiva de tantas outras histórias. Ela sofre abusos não só amoroso, mas de certa forma parental, ao se tratar de sua mãe. Mesmo com a carga que ambos Lucy e Jude carregam, a verdade sobre suas vidas é o que cobra um maior preço deles.



Não quero me prolongar mais, pois certamente darei algum spoiler, só posso dizer que esse livro é um daqueles que tira a ressaca e ao mesmo tempo traz reflexões para nossos relacionamentos pessoais.

Achei a escrita da Nicole bem fluida e de fácil entendimento e eu, a louca das capas, fiquei muito encantada da editora ter mantido a versão original. A diagramação está perfeita também.



Ainda não li o segundo livro, mas o final do livro é tão intrigante que deixa a ansiedade elevada ao nível máximo.
Super recomendo essa leitura
 com 4,5 estrelas e já quero saber de vocês, que já leram, o que acharam do livro e da minha resenha.

Quando um filho morre, um pai perde parte de si mesmo — disse. — O mundo todo deixa de existir, e a gente vira uma casca vazia da pessoa que foi um dia. Sua mãe lidou com isso do jeito dela, eu, do meu jeito, e você, do seu. — Ele tirou a mão do túmulo de John e ficou em pé. — Sua mãe odeia o mundo, eu o evito, e você tenta salvá-lo.

Beijos
See ya!

Comentários via Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

@ManuscritoLiterario

© Manuscrito Literário – Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in